Radius: Off
Radius:
km Set radius for geolocation
Pesquisar

5 Filmes sobre mulheres empreendedoras

5 Filmes sobre mulheres empreendedoras

O empreendedorismo é muito abrangente, não apenas relacionado ao comportamento de abrir o próprio negócio e de se tornar empresário. Felizmente, você também pode se envolver em seu próprio trabalho tornando-se um profissional diferenciado. Por que não ingressar em sua faculdade ou carreira artística?

O empreendedorismo está intimamente relacionado à criatividade, às capacidades de gerenciamento de projetos e à obtenção de resultados positivos.

Além disso, constante automotivação, resiliência, perseverança, etc. são as características dos empreendedores. Agora, vamos entrar na pequena lista de 5 filmes inspirado em mulheres empreendedoras.

5 Filmes sobre mulheres empreendedorasComeçar um negócio requer imersão real neste assunto. Uma forma de absorver essa cultura corporativa é o entretenimento, que pode ser útil e leve, com (mais) exemplos de mulheres empresárias.

A representação feminina tem se tornado um tópico cada vez mais de discussão, e o empreendedorismo é uma das áreas importantes que trazem a representação feminina.

Portanto, além de investir em áreas de negócios rentáveis, você também pode se destacar como líder feminina na hora de abrir um negócio.

Vamos ao Top 5 dos filmes inspiradores:

1. Uma mulher fantástica

Os filmes chilenos são um modelo de representação e diversidade: este é o primeiro filme estrelado por um transgênico e ganhou um Oscar.

Marina Vidal (interpretada por Daniela Vega) viveu momentos discriminatórios numa fase muito delicada da sua vida e não foi reconhecida pela sociedade como mulher.

2. Elis

Este filme retrata a vida estressante da famosa cantora Elis Regina.

Desde o início de sua carreira aos 18 anos, ela deixou Porto Alegre e mudou-se para o Rio de Janeiro, até que o sucesso atingiu o auge, quebrando as fronteiras do Brasil proporcionando uma magnífica carreira internacional.

Devido aos problemas de sua vida pessoal, sua música evoluiu tremenda e rapidamente, e sua reputação também subiu. Infelizmente nos despedimos dessa incrível cantora cedo demais, Elis morreu de overdose de cocaína e álcool em São Paulo em 1982.

3. Moana: Um mar de aventuras

Moana não é como as demais princesas: a filha do chefe de uma tribo na Oceania busca ajudar seus povos com suas próprias mãos e não há príncipes para salvá-la.

Ela é a heroína. Sua viagem em busca de respostas e autoconhecimento traz paz, prosperidade e novos meios de sobrevivência aos habitantes da ilha, que percebem, sob o olhar desbravador da moça, como sua liderança significa mais do que alguns costumes antigos.

4. Que horas ela volta?

O filme “Que horas ela volta?”, com repercussão internacional, retrata a realidade de um segmento da população feminina brasileira por meio da personagem Val (Regina Casé) que se muda de Pernambuco para São Paulo para trabalhar como empregada doméstica.

5. Olga

Baseado na história verídica de Olga Benário, a esposa alemã do líder comunista brasileiro Luís Carlos Prestes. Durante o reinado de Getúlio Vargas (1930-1945) ela foi presa e enviada para a Alemanha nazista.

Quando se trata de buscar realização profissional, muitas pessoas optam por abrir um negócio. Um “jeito de fazer” em que você se posiciona como protagonista da sua profissão, faz escolhas com base na vida que deseja e ainda deixa um legado.

Mas esse não é exatamente o espírito empreendedor que você conhece, é?

Normalmente, quando se trata de empreendedorismo, pensa-se na imagem de um empresário que cria um negócio e luta para sempre com os impostos.

No sentido encontrado no dicionário, empreendedorismo está relacionado à sua capacidade de ser realizado, ou seja, tem a capacidade de tirar ideias do papel e colocá-las em prática. Tão simples.

E, pensando assim, essa mulher empreendedora pode estar trabalhando em sua própria vida, em seu negócio ou em qualquer projeto que se comprometa a executar.

5 Filmes sobre mulheres empreendedorasPor outro lado, é verdade que a palavra empresário tem o significado mais voltado para os negócios. Mas é melhor pensar que existe uma pessoa por trás de cada negócio, um empresário.

Para você se tornar um empresário (a), é preciso primeiro (digo mesmo básico) se engajar na sua própria vida, estar ciente dos seus objetivos, da história que deseja viver e construir a cada dia, do potencial e da chave pontos para atingir seus objetivos.

Faça melhorias para que você possa implementar a melhor versão de si mesmo. Esse é um processo mais complicado do que criar um CNPJ por isso, é mais agradável e mais capacitado.

Pense sempre no seguinte:

Porque empreender?

Não é que você se torne um empresário e não há razão; você tem um motivo e isso o torna um empresário.

É este motivo maior que o torna capaz de gerar a motivação necessária para superar os obstáculos que surgem no dia a dia e desenvolver outras atitudes necessárias para ser empreendedor.

Pode haver muitos motivos para realizar tais ações. Toda mulher conhece seu estilo de vida, suas necessidades, o que gostaria de mudar em seu trabalho e como gostaria de aproveitar ao máximo seu tempo.

O empreendedorismo pode, portanto, simbolizar um maior controle sobre a própria vida.

Projetos fora do papel

Uma mulher empreendedora atua, se engaja na ação, não é “mimimi” e muito menos deixa seus sonhos e ideias para sempre.

Claro, ela sabe que pode não ser simples ou fácil, mas uma vez que comece a se mover, você pode realmente encontrar os comportamentos necessários para tornar uma ideia realidade. Você se torna uma diretora em movimento, não por antecipação.

A prática também é a melhor maneira de aprender. Afinal, o seu dinheiro será investido no seu negócio e, graças a isso, você terá uma atitude que a ajudará a analisar a situação para tomar as melhores decisões para não incorrer em perdas.

Se você não sabe como resolver esse problema sozinha, um pouco de teoria ou conselhos de pessoas experientes certamente serão necessários para a gestão.

Preciso te dizer uma coisa: você nunca estará pronta (o). A hora correta e a hora de início não existem. A empresária percebeu isso antes de começar. Ela age sobre os recursos existentes, sejam esses recursos financeiros, de conhecimento ou redes.

Primeiro, comece e depois desenvolva suas próprias ideias em cada nova etapa. Como aprendemos com os tópicos abordados neste artigo, iniciativa é tudo. Este é o fator decisivo para o desempenho.

Comentários 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com